Encontro de reflexão nas Lameiras

«Os idosos são pessoas de sabedoria»

22 de dezembro de 2006
Os participantes demonstraram muito interesse nas comunicações apresentadas
Os idosos são pessoas de sabedoria, foi afirmado num encontro de reflexão sobre “O Lugar do Idoso na família” no passado dia 21 de Dezembro à noite, no Centro-de-dia da Associação de Moradores das Lameiras, promovido em parceria entre a LOC/MTC – Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos da Paróquia de Antas e o Centro Social e Comunitário da AML. Foram oradores principais nesta actividade, Carla Carvalho e Fátima Curto, coordenadoras do Sector de idosos da AML e o Pe. Avelino Cardoso da LOC/MTC. Da reflexão apresentada e do debate que se seguiu todos foram unânimes em reconhecerem que o lugar do idoso deve ser na família. No entanto, os tempos mudam, os conceitos de trabalho também e uma grande maioria de famílias deixa de ter condições para manter os seus idosos em casa, tendo necessidade, que recorrerem ao apoio das instituições.

 Foi referido que a situação dos idosos de hoje, também é parecida com a que se passou há alguns anos, quando as primeiras crianças foram levadas para os infantários. Naquela altura, a sociedade aceitava mal que as crianças fossem para os infantários. Hoje, a maioria das mulheres trabalham e o salário dos dois membros do agregado familiar, em conjunto, e nalguns casos, é mais pequeno do que o salário do chamado “chefe de família” há quarenta anos atrás.

Referido ainda, a importância de que o idoso possa viver os últimos tempos da sua vida com dignidade e qualidade, proporcionando sempre um envelhecimento activo: que seja ouvido, que tenha vez e voz, que intervenha nas actividades e lhes sejam proporcionadas as devidas autonomias. Segundo os oradores, “os idosos são pessoas de sabedoria e transmissores de cultura” e nem sempre os mais novos sabem aproveitar ao máximo este saber acumulado ao longo de gerações. Se não é possível à família manter as pessoas idosas na sua casa de origem, devem recorrer aos lares das diversas Instituições. É bom que não se esqueçam deles nestas instituições ou nos hospitais, onde muitos ficam “esquecidos” à espera que alguém os venha visitar ou os vá buscar, respectivamente.

No decorrer dos trabalhos uma das oradoras, lembrou todos aqueles que se têm empenhado no Associativismo, e mais concretamente os fundadores da Associação de Moradores das Lameiras e os actuais dirigentes que há 23 anos fundaram e gerem com qualidade uma série de valências de apoio à infância e terceira idade. Se não fossem estas pessoas hoje, não haveriam as condições existentes para acolher idosos em lar, em Centro-de-Dia e em Serviços de Apoio Domiciliário e, se calhar, não estávamos neste espaço a reflectir sobre um assunto tão importante.

As cerca de quatro dezenas de pessoas que participaram nesta iniciativa, congratularam-se com o debate, que não terminou e que necessita de ser mais aprofundado e prosseguido, quer no interior das famílias, quer junto dos idosos, nas instituições e também nos pequenos grupos de cidadãos. Uma iniciativa que valeu a pena, dada a sua actualidade da hora presente.

Adicionar comentário

Subscrever newsletter

As novidades da AML na sua caixa de correio.



BoletimBoletim cultural e informativo

Ler online »