O trabalho é um meio de sobrevivência e de realização pessoal

10 de maio de 2008
Encontro de reflexão/debate sobre a dignidade do trabalho

“Pelo trabalho sobrevivemos, realizamo-nos e criamos riqueza, tornamo-la disponível para ser distribuída por todos. O trabalho assegura um rendimento, dá-nos um estatuto perante os outros e permite-nos organizar melhor a nossa vida. No trabalho está a centralidade da pessoa humana”. Estas são algumas das conclusões tiradas da reflexão/debate promovida pela Direcção da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC) da Zona Pastoral de Vila Nova de Famalicão, em parceria com a Secção Cultural da Associação de Moradores das Lameiras, que decorreu no dia 10 de Maio no Centro Social das Lameiras sobre a “Dignidade do Trabalho”. “Hoje, a produção de riqueza já não depende apenas do trabalho, mas também dos mercados financeiros”, afirmou, Paula Santos, oradora convidada e técnica superior da Comissão de Coordenação da Região Norte.

Vivemos tempos que impedem que haja trabalho para todos, porque os tempos de trabalho estão mal organizados e mal distribuídos. Por outro lado, trabalha-se demais e se acrescentarmos o trabalho doméstico a vida familiar e o serviço à comunidade, que poucos reconhecem, são muitas horas acumuladas, salientou Paula Santos. “Causa impressão que na nossa sociedade se pague para as pessoas não trabalhar”, acrescentou. “A dignidade está no trabalho e nas relações que este permite. Quando esta corrente se quebra a dignidade desaparece. Pode haver problemas laborais, mesmo penosos, mas enquanto trabalhamos temos uma vida organizada e apesar de tudo, com muito esforço, até conseguimos conciliá-la com a família e os filhos, mas quando o trabalho falta não há conciliação possível, porque desaparece o salário, base de sustento do ser humano”, apontam as conclusões deste debate.
Todos os trabalhos são dignos, sejam eles quais forem. Por isso, não é admissível que altos quadros de algumas empresas, tenham salários chorudos enquanto a maioria dos trabalhadores vive de salários muito baixos, concluíram os cerca de cinquenta participantes neste debate. Foi abordada também a questão dos sistemas de “avaliação de desempenho” sendo afirmado que: desde estes sejam justos e tenham a participação dos trabalhadores podem ser aplicados. Por fim, concluiu-se que a educação para a dignidade do trabalho começa em casa, na família, na partilha dos serviços domésticos e deve ser continuada na escola. É necessário continuar a lutar para que os valores da justiça, da solidariedade, da fraternidade, da participação e da dignidade estejam sempre presentes nas relações laborais.

Na parte inicial do encontro e no final do mesmo um dos Grupos do MAAC – Movimento de Apostolado de Adolescentes e Crianças da Paróquia de S. Tiago de Antas, presentearam os presentes com uma representação cultural bem concebida.

Adicionar comentário

Subscrever newsletter

As novidades da AML na sua caixa de correio.



BoletimBoletim cultural e informativo

Ler online »