Lameiras assinalou 26 anos de residência naquele espaço habitacional

Marcados pela Esperança de uma vida melhor

13 de abril de 2009
Os moradores participaram activamente nas celebrações

Pela vigésima sexta vez, os moradores das Lameiras, da paróquia de Antas, bem no centro da cidade de Vila Nova de Famalicão, celebraram a Páscoa, com a "marca da esperança" por uma vida melhor, mesmo com as dificuldades do dia-a-dia. Apesar de dados recentes apontarem para uma diminuição do número de residentes, cerca de 50% em 26 anos, mesmo assim, mais de 290 famílias continuam a residir naquele Complexo Habitacional. A celebração deste ano assinalou o fecho das comemorações dos 25 anos da Comunidade das Lameiras e iniciou as comemorações dos 25 anos da Associação de Moradores das Lameiras, fundada em 25 de Maio de 1984. Presidida pelo Pe.  Rogério e Pe. Inácio, dos Missionários Combonianos de Vila Nova de Famalicão, em representação do Pároco, a Missa Campal também encerrou a visita pascal de quatro Compassos ao Complexo Habitacional das Lameiras. Pela primeira vez, o Coro Vivacce Música da AML animou, com cânticos litúrgicos esta celebração.

O Dia de Páscoa continua a ter um significado penetrante para os residentes do Complexo Habitacional das Lameiras. Foi naquele dia, em 1983, que por iniciativa dos residentes, que o então pároco de Antas, Pe. Augusto Veloso, celebrou a primeira Missa Campal naquele local, assinalando a inauguração de um novo espaço habitacional com a bênção das suas 290 casas. O Edifício das Lameiras nunca chegou a ser inaugurado pelas entidades oficiais, dadas as fragilidades de construção encontradas pelos primeiros moradores que foram residir naquele local e as obras nunca terem sido dadas por concluídas.

A Páscoa continua a representar o início de uma vida nova, numa nova moradia e num novo espaço, com novas pessoas. Para trás tinham ficado muitas aflições, sobretudo pela falta de habitações condignas. A mudança na vida da maioria das pessoas que ali residem, coincidiu com o tempo de Páscoa. É por isso que os moradores associam este acontecimento com a Ressurreição de Jesus. Cinquenta por cento daqueles que residiam nas Lameiras há 26 anos já não vivem naquele local, uns porque mudaram de residência e outros porque faleceram. Esta realidade revela o excelente trabalho que a AML tem realizado no sentido de melhorar a qualidade de vida dos residentes deste Complexo Habitacional. Existe um novo grupo, que veio preencher as habitações deixadas vagas, que se têm adaptado bastante bem à forma de viver e conviver nas Lameiras. Mesmo aqueles residentes que não praticam a fé cristã, não ficam indiferentes perante este acontecimento e colaboram com a organização para que a tradição permaneça.

Nestes 26 anos realizaram-se grandes investimentos, a pensar na melhoria da qualidade de vida da população residente e também das populações das zonas circundantes, sendo os mais visíveis de todos o Centro Social e Comunitário e os Gabinetes de Atendimento e Acompanhamento Social, estes últimos a funcionarem no coração do Edifico das Lameiras. Este Complexo habitacional nada seria sem estas respostas sociais.

A Eucaristia foi de Acção de Graças pela acção realizada, quer pela população anónima que luta por vencer as dificuldades, quer por todos os dirigentes da AML, os actuais e antigos, por aqueles que já partiram e residiram nas Lameiras, no Lar, ou que usufruíram do apoio do Centro Social, também os doentes, as crianças, os jovens, as famílias, os idosos, todos os benfeitores e entidades que têm ajudado.

Adicionar comentário

Subscrever newsletter

As novidades da AML na sua caixa de correio.



BoletimBoletim cultural e informativo

Ler online »